Review God of War

Em Geral

God of War marca o retorno de uma das franquias mais famosas do mundo dos jogos. Exclusivo para PS4, o título traz de volta Kratos que, agora em uma versão mais velha, precisa lidar com a paternidade e antigos problemas que ressurgem do passado. Confira o review completo:

“O Senhor da Guerra não gosta de crianças”

Desde que foi anunciado, o novo God of War chama atenção por mostrar um lado mais humano de Kratos. Além da aparência mais velha, a presença de Atreus, seu filho, causou um enorme impacto, uma vez que o protagonista sempre carregou a fama de cruel e insensível nos outros títulos da saga. 

Durante toda a (longa) jornada, o Deus da Guerra mostra, por muitas vezes, um lado paternal que entra em confronto com seu ego brutamontes – o que acaba ajudando na formação do “caráter de guerreiro” de seu filho. O seu jeito rude e impaciente é fundamental para que Atreus aflore seus instintos de sobrevivência e, ao mesmo tempo, descubra suas habilidades hereditárias.

Ao contrário do pai, Atreus mostra que a bondade é algo presente em seu sangue. A generosidade do garoto está presente desde a forma como ele lida com questionamentos até o jeito que trata outros personagens. A característica do filho acaba servindo de espelho para Kratos enfrentar situações de maneiras diferentes – se sozinho, o Deus da Guerra não agiria da mesma forma. 

O novo God of War mostra a relação de pai e filho entre Kratos e Atreus (Foto: Divulgação)

Isso é apenas o pano de fundo de uma trama que, embora demore muito para começar a se desenrolar, deixa os jogadores apreensivos a todo momento. É impossível não criar e recriar teorias, principalmente para aqueles que jogaram todos os títulos da franquia. 

Essa jornada também é responsável por responder uma série de perguntas
sobre o passado recente do espartano. Entretanto, para evitar
spoilers, não iremos nos alongar no assunto.

God of War (Foto: Divulgação)O lançamento de God of War é um dos mais esperados de 2018 (Foto: Divulgação)

Mais que um filho, um aliado!

Já nas primeiras notícias sobre o seu lançamento, era possível ver que a relação de pai e filho não ficava apenas na história. O game traz um inédito sistema de cooperação nunca antes visto na saga, fazendo com que a participação do pequeno guerreiro seja fundamental em praticamente todos os momentos.

No sistema de combate, do qual falaremos mais adiante, Atreus age como seu braço direito. Graças a uma dificuldade um pouco mais elevada que os títulos anteriores (como God of War 3 e God of War: Ascension), a todo momento será preciso utilizar o garoto para distrair e atordoar inimigos, ou contar com ele para curar e até ressuscitar Kratos.

Kratos luta rapidamente contra um inimigo no novo God of War, mas o trailer é dedicado à ligação com seu filho (Foto: Reprodução/PlayStation Blog) (Foto: Kratos luta rapidamente contra um inimigo no novo God of War, mas o trailer é dedicado à ligação com seu filho (Foto: Reprodução/PlayStation Blog))Kratos conta com a ajuda de Atreus nos combates (Foto: Divulgação)

Nos famosos puzzles do game, o menino também tem uma participação fundamental. Mesmo sendo bem fáceis, caso você tenha algum problema para solucionar os quebra-cabeças, basta esperar um pouco até que o pequeno revele detalhes que ajudam na conclusão. Isso quando não é ele o grande responsável pela façanha.

Sistema de evolução com elementos de RPG

Umas das grandes novidades do novo God of War é o seu sistema de evolução. O game traz alguns elementos similares a um RPG convencional, mas que não fazem com que ele perca suas origens. Em outras palavras, há um interessante sistema de troca de pontos de experiências por habilidades. Entretanto, eles são recebidos de uma forma limitada, não permitindo, por exemplo, que Kratos procure inimigos pelo cenário apenas para acumular pontos e adquirir movimentos.

God of War (Foto: Reprodução / TechTudo)Sistema de armas e armaduras disponíveis na Brok’s Shop (Foto: Reprodução / Diego Borges)

O leque de ataques é extenso e variado para cada tipo de arma. Se nos outros títulos o progresso natural fazia com que Kratos adquirisse todas as habilidades disponíveis no jogo, no novo God of War é preciso escolher, pois dificilmente você conseguirá ter todos movimentos.

Também pode ser feita uma customização do armamento de Kratos na Brok’s Shop (ou Loja do Brok). O mercadinho do novo personagem coadjuvante também é uma estreia na franquia e as modificações feitas por lá alteram não apenas o desempenho (dano causado), mas também a jogabilidade das armas de armaduras.

Se não bastasse evoluir Kratos, também é preciso modificar o pequeno Atreus. Boa parte dos movimentos do menino são voltados para cooperação no combate, como atordoar inimigos, infligir maiores danos com suas flechas etc. Cabe ao jogador avaliar se a ajuda é mais preciosa que a evolução de golpes do personagem principal. 

God of War (Foto: Reprodução / TechTudo)Há um leque muito maior de habilidades para Kratos em God of War (Foto: Reprodução / Diego Borges)

Também há um sistema de adaptação de runas que aumentam os atributos do Deus da Guerra. Quando equipadas às armas e armaduras, elas aumentam as habilidades do protagonista. As runas podem ser adquiridas em baús ou por meio das lojas encontradas ao longo da jornada. 

Visual incrível

O visual de God of War é de longe um dos mais belos da atual geração. Em nossos testes, o jogo rodou em um PS4 Pro junto a uma TV 4K com suporte à tecnologia HDR. Dessa forma, pudemos conferir todo o potencial gráfico que o game tem a oferecer.

God of War (Foto: Reprodução / TechTudo)God of War traz cenários incríveis (Foto: Reprodução / Diego Borges)

Ele não decepcionou – pelo contrário. Mesmo acostumados a um nível gráfico avançado de títulos recentes no mundo dos games, God of War pode ser considerado como o melhor exclusivo do PS4 no quesito visual, superando jogos consagrados nesse quesito, como Uncharted: The Lost Legacy e Horizon Zeron Dawn.

A começar pelos cenários, é incrível o nível de detalhamento do ambiente. Desde rochas cobertas com uma grande camada de neve, até uma vegetação rica e variada. Os efeitos de sombra e luz também impressionam, criando uma imersão nunca antes vista.

God of War (Foto: Reprodução / TechTudo)Os gráficos de God of War reproduzem a mitologia nórdica de uma forma rica com cenários repletos de detalhes (Foto: Reprodução / Diego Borges)

Já os personagens principais trazem um realismo bastante inovador para os jogos do console. A reprodução de Kratos é incrível não apenas pelo detalhamento de seu físico e de suas feições, mas também por minúcias, como sua barba esvoaçante e o sangue de inimigos escorrendo por seu corpo. 

Outro quesito que merece destaque é a parte sonora de God of War. A trilha não apenas embala a jornada de Kratos e Atreus, mas ajuda a imergir no mundo mitológico com canções muito bem orquestradas, algumas até com um coral ao fundo. A dublagem nacional não deixa a desejar. Não é fácil recriar a voz de um brutamontes como Kratos, mas Ricardo Juarez – dublador do protagonista – fez com competência o papel.  

God of War (Foto: Reprodução / Diego Borges)God of War (Foto: Reprodução / Diego Borges)

Sistema de combate traz boas evoluções

A mecânica de combate se mantém basicamente como um hack and slash. Kratos continua revezando entre golpes fracos e fortes, sendo possível ainda usar armas somadas às suas habilidades. O leque se mostra mais variado do que nos títulos anteriores, o que permite ao jogador até mesmo moldar o estilo do personagem nos combates. 

Exemplificando, Kratos conta com seu machado que, quando arremessado, volta em um movimento similar ao de um bumerangue. O jogador pode investir nesses ataques de longa distância, evoluindo e desbloqueando as respectivas habilidades. Dessa forma, seu personagem dará mais dano à distância, evitando o combate franco.

God of War (Foto: Reprodução / TechTudo)God of War traz inovações no seus sistema de combate (Foto: Reprodução / Diego Borges)

A grande novidade fica por conta da possibilidade de realizar esses movimentos juntos com Atreus. Mesmo não podendo controlá-lo completamente, Kratos pode dar ordens de ataques, como escolher o inimigo que será atingido ou o tipo de movimento que o filho fará. E a famosa barra de poder – Fúria de Esparta (Rage of Sparta) – continua presente. Enquanto ela não esvaziar por completo, o protagonista fica em uma espécie de fúria onde seus golpes causam muito mais dano.

Ausência de inimigos marcantes

Apesar do novo God of War ter conseguido balancear entre inovações sem perder a essência, uma das principais marcas do jogo ficou de fora: confrontos contra criaturas gigantes – popularmente chamadas de “chefes”.

god-of-war-lancamentoconfirmado (Foto: Divulgação)Criaturas gigantescas aparecem pouco no novo God of War (Foto: Divulgação)

Embora seja uma questão justificada no próprio enredo, os inimigos não variam tanto. O jogador derrota inimigos do mesmo tamanho (ou até menores) que Kratos, o que gera um vazio. A história poderia induzir esses combates, uma vez que há até alguns encontros, mas, na maioria das vezes, eles são amistosos ou o embate é apenas reproduzido em uma animação.

Conclusão

God of War, o jogo mais aguardado de 2018, chega de forma triunfal e coloca novamente a franquia no topo das atenções. Os receios em relação às mudanças se extinguem nas primeiras horas, mostrando como se mescla elementos que consagraram a franquia com inovações que caíram como uma luva. O jogo encanta tanto pela mecânica lendária, como pelos gráficos extraordinários. Kratos retorna ao trono com um título obrigatório para seus fãs. 

O que você achou de God of War: Ascension? Comente no Fórum do TechTudo. 


Fonte da notícia

Comentários
Posts Recentes